Em trânsito: O corpo e as intervenções no espaço da percepção estabelecendo um território comum entre arte e arquitetura

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Publicado 01-06-2014
Tiago Giora

Resumen

Este artigo examina a percepção do espaço arquitetônico utilizando a intervenção artística como mecanismo para transformar ou desencadear a experiência física de ocupar um lugar. Por meio de con­ceitos de presença, materialidade e vazio, tento descrever e analisar as propostas artísticas, os ambientes arquitetônicos e naturais, além dos objetos que compõem situações espaciais específicas. A ideia de que a percepção pode ser compreendida como ação é o ponto de partida que nos permite criar uma conexão entre a mente e a consciência do movimento, a noção de ocupar um espaço e pertencer a um contexto específico, culturalmente compartilhado. A transposição destas compreensões conceituais para a fisicalidade das ruas, do corpo e da intervenção artística, é um exercício que traz algu­mas questões importantes na tarefa de estabelecer os limites desta investigação: Em que momento a percepção acontece? Que condições são necessárias para que ela aconteça? O que é mais vivo na mente do indivíduo, os pensamentos e emoções que constituem sua realidade psí­quica em um dado momento, ou os objetos que o cercam? O que desencadeia nossa atenção em face a um mundo saturado de estímulos? Como podemos intensificar certas situações, conectando espaço, corpo e mente? A base conceitual do estudo está primordialmente centrada na fenomenologia da arquitetura e nos conceitos de instalação, intervenção e in-situ, agregados em um campo comum que guia a discussão na direção de uma compreensão contextual acerca do corpo, espaço e percepção. Nesta discussão as intervenções artísticas visam ocupar o vazio perceptivo que separa corpo e espaço, provocando alterações discretas no mundo tangível de modo a torná-lo mais "visível" aos sentidos e mais presente na mente na pessoa que vaga pela rua. Finalmente, o estudo aponta para uma construção poética no espaço da vida cotidiana, dentro do qual as intervenções artísticas sugerem a possibilidade de extrair significado da interação entre cor­pos, objetos, formas e imagens presentes no ambiente concreto. As linhas e materiais encontrados em fachadas e calçadas são trazidos à superfície de um contexto cultural que organiza os estímulos visuais e influencia nossa sensibilidade e nossa percepção.

Cómo citar

Giora, T. (2014). Em trânsito: O corpo e as intervenções no espaço da percepção estabelecendo um território comum entre arte e arquitetura. AusArt, 2(1). https://doi.org/10.1387/ausart.12001
Abstract 153 | PDF (Português (Portugal)) Downloads 161

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Keywords

CORPO, PERCEPÇÃO, FENOMENOLOGIA, SITE-SPECIFIC

References
Arnheim, Rudolf. 1977. The dynamics of architectural form. Berkeley CA: University of California

Holl, Steven, Juhani Pallasmaa & Alberto Pérez-Gómez. (1994) 2006. Questions of perception: Phenomenology of architecture. San Francisco CA: William Stout

Husserl, Edmond. 1999. The essential Husserl: Basic writings in transcendental phenomenology. Edited by Donn Welton. Bloomington, IN: Indiana University

Krauss, Rosalind E. (1977) 1998. Caminhos da escultura moderna. Translated by Julio Fischer. São Paulo: Martins Fontes
Sección
Artículos